‘Fui doutrinado a desprezar os cristãos’, diz ateu comunista que se entregou a Jesus

  • 09/02/2024
‘Fui doutrinado a desprezar os cristãos’, diz ateu comunista que se entregou a Jesus
‘Fui doutrinado a desprezar os cristãos’, diz ateu comunista que se entregou a Jesus (Foto: Reprodução)

“Se alguma vez houve um filho verdadeiramente comprometido com a revolução, fui eu”, conta Sy Garte, que foi criado em uma família comunista e ateia nos EUA dos anos 1960.

“O meu tio-avô lutou na revolução russa e um dos meus avôs, que fundou o sindicato dos estofadores em Boston, EUA, liderou uma delegação de trabalhadores americanos que visitou a União Soviética em 1932.”

De acordo com Garte, este junto com seus outros três avós, eram todos comunistas.

“E os filhos deles, meus pais, aderiram ao Partido Comunista Americano. Quando nasci, logo após a Segunda Guerra Mundial, eles tinham deixado o Partido, mas permaneciam stalinistas obstinados”.

Ele conta que crescer em um ambiente comunista e ateu em Nova York, na melhor das hipóteses foi complicado e, na pior, foi assustador.

“Fraldas vermelhas”

“Quase todas as crianças que conheci eram católicas – e por isso frequentavam algo chamado ‘missa’ – ou judias – e por isso frequentavam a ‘escola hebraica’. Eu não sabia o que eram essas duas coisas”, diz.

A família de Garte era etnicamente judia, mas ele não tinha muita ideia do que aquilo realmente significava. “Nunca colocamos os pés em nenhum tipo de local de culto. Trocamos presentes no dia de Ano Novo, como acontecia na União Soviética. Li livros infantis impressos na Rússia”.

Segundo Garte, “ateu” não era uma palavra muito ouvida nas ruas, mas era isso que ele era.

“A gangue da vizinhança (principalmente católicos irlandeses) não via com bons olhos meu inconformismo religioso e as crianças judias na escola não conseguiam entender por que eu não frequentava a escola hebraica”.

No entanto, Garte diz que ele não estava sozinho. Havia ex-membros do Partido espalhados por Nova York, e acabou conhecendo vários outros garotos de “fraldas vermelhas”, como ficaram conhecidos.

“Havia até alguns de nós na minha escola. Cantávamos canções folclóricas e baladas operárias; falamos sobre direitos civis e Cuba”.

Alguns anos mais tarde, à medida que os anos 1960 se tornaram mais violentos, alguns aderiram a grupos radicais e fizeram coisas radicais, ele diz.

“Alguns se envolveram em drogas e não se saíram bem. Um amigo (vou chamá-lo de Joe) apareceu um dia em meu apartamento pedindo um empréstimo, para que pudesse chegar à Califórnia antes que a polícia o alcançasse. Isso foi em 1973. Nunca mais o vi.”

Espírito Santo

Garte revelou que anos depois abandonou “todos os vestígios do meu radicalismo político” e se tornou um cientista, atuando como bioquímico pesquisador e professor.

“A minha formação científica levou-me a questionar os meus pressupostos do materialismo racionalista como o único caminho para a verdade, e fiquei curioso sobre esta coisa chamada espiritualidade”, diz.

E continuou: “Assim, iniciei uma longa jornada do ateísmo mais estrito ao agnosticismo. E então para uma espécie de teísmo esperançoso. Demorou décadas, mas finalmente cruzei um limiar (ou fui arrastado pelo Espírito Santo) e fui batizado como cristão aos 60 anos. Alguns anos depois, me aposentei e dediquei minha vida à divulgação das boas novas de Cristo”.

Garte conta que sentia muita raiva por ter sido alvo dos seus vizinhos, e sofrendo um “pesadelo de bullying físico e emocional (e o subsequente medo que o acompanhou) que durou mais de dois anos”.

Pedindo perdão e encontrando Jesus

Ele diz que décadas mais tarde, quando contou esta história a uma mulher cristã, ela falou algo que a princípio o surpreendeu e depois o deixou muito irritado.

“Você precisa perdoá-los”, disse ela.

"Nunca!", Garte respondeu com alguma força e explicou o quanto sua raiva e desejo de vingança eram importantes para ele.

“Você precisa perdoá-los”, ela simplesmente repetiu.

“Eu não era cristão naquela época, mas já tinha ouvido falar muito sobre Jesus. Eu até já tinha ido a uma igreja algumas vezes. Fiquei sentado em silêncio por um tempo, olhando para o chão, minha mente em grande turbulência”.

“Então, pela primeira vez em muito tempo, comecei a chorar.

“Eu os perdoo, eu disse em voz alta, comecei minha longa e muito lenta jornada rumo à fé em Cristo”.

“Ter esse fardo retirado me ajudou, mas houve uma última coisa que não consegui abandonar por muito tempo. Foi a convicção de que a minha salvação era impossível; que era simplesmente bom demais para ser verdade”.

“Não consigo explicar, mas senti fisicamente pesos, balanças, fardos e preocupações caindo de cima de mim e, em seu lugar, veio outra coisa. Achei que poderia ser o que as pessoas chamavam de alegria e queria mantê-la”, lembra.

“Então, lembrei-me de um sonho de muitos anos antes. Nele, eu estava pendurado em um penhasco, tentando desesperadamente não cair. Ouvi uma voz dizendo: ‘Apenas deixe ir’, o que me pareceu uma loucura. Mas a voz era insistente e, finalmente, prestes a cair de qualquer maneira, soltei-me da beira do penhasco.”

“Quando acordei daquele sonho, não tinha ideia do que significava. Eu ainda era agnóstico, começando a me perguntar se meu ateísmo era uma posição forte demais para ser sustentada, dado o que vinha aprendendo sobre materialismo e espiritualidade. Mas agora eu entendi: como naquele sonho, eu tinha acabado de largar algo pesado e ainda estava bem.”

“Um dia, enquanto dirigia, finalmente dei esse passo, com a ajuda do Espírito Santo. O Espírito teve misericórdia de mim e entrou em minha alma de uma forma inegável. Parei meu carro no acostamento da estrada e novamente, em meio às lágrimas, falei algumas palavras diferentes em voz alta. Eu acredito, eu disse e foi feito”.

Encontrando um amigo cristão

Garte conta que sem que soubesse, durante esse tempo, seu velho amigo Joe estava lutando contra seus vícios – até que conheceu uma mulher que o transformou.

“Ele se casou com ela, conseguiu um emprego estável e se estabeleceu. Avançando algumas décadas, ele me encontrou no Facebook”, diz.

“Conversamos, contamos um ao outro um pouco sobre nossas vidas nos 45 anos desde que nos conhecemos, então ele soltou a bomba: “Você nunca vai acreditar nisso. “Eu sou cristão”, escreveu ele.

Garte diz que devido à experiência comum que tiveram com comunismo e ateísmo, ele poderia esperar ouvir algo desagradável ou nem responder. Mas Garte disse: “Você também não vai acreditar. Eu também."

“Desde então, tenho ouvido falar – e conhecido – muitas pessoas em todo o mundo que vieram a Cristo apesar de não terem conhecimento de Jesus ou formação de fé”, diz.

“Filhos de ateus, comunistas e cristãos desconvertidos; pessoas nascidas em famílias hindus, judias ou muçulmanas; pessoas que vivem em sociedades antirreligiosas como a China; europeus ocidentais que procuram, como eu, algo que não sabiam que estava faltando nas suas vidas”.

Grande despertar

Garte acredita que à medida que geração amadurecer, haverá um “grande despertar” de pessoas como ele e seu amigo Joe.

“Nossos pais não eram pessoas más, mesmo que seguissem uma ideia fracassada promulgada por mentirosos cínicos. Eles pensavam que estavam fazendo o bem à humanidade e a um mundo melhor.”, explica.

“Eles nos doutrinaram para desprezar uma fé da qual não tinham conhecimento real. Se tivessem feito isso, poderiam ter começado a entender por que alguns de seus heróis, como o reverendo Martin Luther King Jr., defendiam a noção verdadeiramente radical de amar a todos, até mesmo aos inimigos declarados.

“Eu gostaria de pensar que talvez Jesus, olhando para nós, pobres pecadores, tenha visto aquela troca de redes sociais entre dois velhos amigos e sorrido.”

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/testemunhos/fui-doutrinado-desprezar-os-cristaos-diz-ateu-comunista-que-se-entregou-jesus.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Top 5

top1
1. Deus Proverá

Gabriela Gomes

top2
2. Algo Novo

Kemuel, Lukas Agustinho

top3
3. Aquieta Minh'alma

Ministério Zoe

top4
4. A Casa É Sua

Casa Worship

top5
5. Ninguém explica Deus

Preto No Branco

Anunciantes